Pré-Natal: importância para a gestante

Categorias: Dúvidas, Gestantes
Data: 02/05/2021   931 Views  

Pré-natal é fundamental na prevenção e/ou detecção precoce de doenças ou problemas que podem comprometer a saúde da gestante ou do feto. Permite assim que o bebê e a mãe se desenvolvam de forma saudável. Ele consiste de consultas regulares que as mulheres grávidas realizam. O ministério da saúde recomenda que sejam realizadas pelo menos 6 consultas.

Ficou interessada em saber mais sobre esse assunto? Então, continue a leitura e entenda melhor a seguir a importância do pré-natal para a gestante.

Pré-Natal

De acordo com a Fundação Abrinq, podemos compreender o pré-natal como o acompanhamento que a gestante faz ou precisa fazer, desde o momento em que sua gravidez é confirmada até o período do parto.

O objetivo, com isso, é monitorar a gestante, considerando o fato de que nesse período ela passa a ter demandas fisiológicas relacionadas à gestação, como, por exemplo, ganho de peso, pressão arterial, alimentação, crescimento do bebê dentro do útero, alterações emocionais etc.

Esse monitoramento se faz importante porque reduz os riscos que a gestante e o feto podem enfrentar durante esse período. Em cada consulta são realizadas avaliações do peso da gestante, sua pressão sanguínea e mede-se a altura uterina que permite avaliar o desenvolvimento do bebê. Os batimentos cardíacos fetais também são avaliados pelo obstetra em cada consulta pré natal. De fundamental importância também determina-se a idade gestacional o que permite realizar orientações mais específicas sobre cada fase do desenvolvimento do bebê.

Seu médico também irá realizar orientações importantes em cada consulta como a possibilidade ou não de realizar atividades físicas, orientações nutricionais, etc. 

Todas estas informações são anotadas na caderneta da gestante. Esse documento permite que toda as informações coletadas e cuidados tomados sejam compartilhados entre obstetra e demais profissionais envolvidos.

Carteira de Pré-Natal da Gestante

Quais são os tipos de pré-natal?

Basicamente, temos dois tipos de pré-natal. A saber:

De baixo risco ou risco habitual

É o pré-natal destinado à gestante que não apresenta nenhum tipo de comorbidade ou alguma doença que possa vir a se agravar durante o período de gestação.

De alto risco

O pré-natal de alto risco, por sua vez, é destinado à mulher que desenvolverá algum tipo de patologia durante a gravidez, que pode tanto comprometer sua saúde como a do bebê. Um exemplo de patologia que podemos destacar nesse sentido é a hipertensão arterial ou pré-eclâmpsia.

No caso do pré-natal de alto risco, a gestante precisa de uma atenção especializada de um ou mais profissionais, conforme os problemas que ela apresentar.

Vantagens do pré-natal

A partir do que até aqui expomos, dá-se para ter noção acerca das vantagens do pré-natal para a preservação da saúde da gestante e do bebê. No entanto, para tornar esse assunto mais claro, apresentamos, a seguir, as principais. Observe:

  • A assistência pré-natal possibilita identificar, segundo o Ministério de Saúde, doenças que já estavam presentes no organismo, mas evoluindo de forma silenciosa, como são o caso da diabetes, doenças do coração e hipertensão, por exemplo. Ao identificá-las, pode-se adotar o tratamento adequado para evitar prejuízos à saúde da mulher e do bebê;
  • Pode-se identificar também mal formações fetais. Algumas delas podem ser tratadas se identificadas em sua fase inicial, de maneira a fazer com o recém-nascido tenha uma vida normal. Os exames mais importantes para avaliar a anatomia fetal são o da translucência nucal e o morfológico de segundo trimestre;
  • Avalia, segundo o Ministério de Saúde, problemas relacionados à placenta, de maneira a fazer com que o tratamento adequado seja adotado no caso de algum problema ser identificado.

A assistência poderá ser realizada não apenas por um obstetra mas por toda uma equipe composta de especialistas em diversas áreas como enfermagem, nutricionista, fisioterapeuta, psicóloga e agentes comunitários de saúde. O número de profissionais envolvidos irá variar de acordo com a necessidade de cada caso.

Como funcionam as consultas de pré-natal?

Inicialmente as consultas são mensais. Após a 28ª semana de gestação as consultas passam a ser a cada duas semanas. Depois da 37ª semana elas são semanais. Uma série de exames são realizados durante o pré-natal, se quiser conhecer os principais basta ver nosso post sobre os principais exames do pré-natal. Os principais exames realizados no pré-natal durante a gravidez são:

  • Tipagem sanguínea e fator Rh;
  • Rastreamento de infecções como sífilis, HIV, toxoplasmose, hepatite B.
  • Exame de urina para rastrear infecção urinária
  • Glicemia de jejum e Pesquisa de diabetes gestacional por meio do teste de tolerância oral à glicose
  • Ultrassom

Com relação ao exame de ultrassom é importante a realização de pelo menos três exames distintos. Um exame entre 11 e 14 semanas para avaliar a translucência nucal. Um segundo exame entre 20 e 24 semanas chamado de ultrassom morfológico. E um exame no último trimestre da gravidez para avaliar a quantidade de líquido amniótico e o desenvolvimento do bebê.

Quando houver o diagnóstico de algum problema o obstetra irá tomar os cuidados necessários para preservar o bem estar do bebê e da mamãe. Apenas para dar uma idéia da importância que o pré-natal pode ter, o rastreamento da infecção pelo HIV e a instituição da terapia anti HIV durante a gravidez pode chegar a zerar a transmissão vertical da doença, segundo a Organização Mundial de Saúde.  

Quando devo começar o pré-natal?

Idealmente as consultas médicas deveriam  começar com uma consulta pré-concepcional. É isso mesmo, a primeira consulta deveria ser antes mesmo de engravidar. Quase ninguém faz essa consulta infelizmente. Ela é muito importante para identificar fatores de risco prévios a gestação para se possível corrigi-los, como doenças infecciosas. Além disso a imunização das mulheres contra doenças que podem acometer o feto (como a rubéola) é de suma importância. Devem ser feitas caso a paciente seja suscetível e ainda não estiver grávida.

Muito importante também é a consulta pré-concepcional para prescrição de ácido fólico. A administração do ácido fólico por cerca de 3 meses antes da concepção ajuda a reduzir a chance de problemas fetais como a mielomeningocele.

Como se pode visualizar, realizar o pré-natal é uma condição fundamental para que a gestação ocorra de forma tranquila e saudável. Por isso, toda mamãe deve fazer, pois assim ela protege tanto sua saúde como a de seu bebê. E quanto mais cedo o início melhor. Em algumas situações a mulher pode ter o que chamamos de gravidez silenciosa. A gravidez silenciosa ocorre quando sangramentos do início da gestação confundem a grávida pois parecem ser a menstruação. Por isso é muito importante visitar o seu ginecologista regularmente. Mesmo quando você ainda não está planejando engravidar.

Enfim, qual a importância do pré natal?

O acompanhamento da gravidez de maneira adequada permite que o médico ajude as gestantes a ter uma gravidez mais saudável. Problemas como o diabetes, a pré eclâmpsia e outras complicações são diagnosticados de maneira precoce, reduzindo o risco para os bebês. No acompanhamento pré-natal as dúvidas que a gestante possa ter são esclarecidas pelo profissional que a acompanha. Com isso, é possível fornecer as orientações adequadas, prescrever as vitaminas e medicações necessárias. Também é importante conversar sobre os cuidados e restrições, caso existam, além de solicitar o exames e programar os retornos.

Existe consulta pós-parto?

Sim, após o parto geralmente são realizadas duas consultas. A primeira cerca de uma semana após o parto tem como objetivo verificar se a mãe está bem. Avaliar se consegue amamentar de maneira adequada, se não está tendo sangramentos ou alguma infecção. O aleitamento materno reduz em 13% a mortalidade até os cinco anos. Além disso evita diarreia e infecções respiratórias, diminui o risco de alergias, diabetes, colesterol alto e hipertensão. Leva a uma melhor nutrição e reduz a chance de obesidade.

Já a segunda consulta normalmente é realizada 6 semanas após o parto. Nesse momento não são solicitados novos exames. Entretanto é importante discutir questões gerais de saúde da mulher e orientar com relação a algum método anticoncepcional.

Categorias: Dúvidas, Gestantes
Data: 02/05/2021   931 Views