Alimentação na Gravidez e Lactação

Categorias: Dicas, Gestantes
Data: 09/09/2014   4592 Views  

A gestante deve seguir uma dieta equilibrada e variada, priorizando a qualidade e não a quantidade. A idéia de que na gravidez deve-se comer por dois é totalmente incorreta. Além disso, o excesso de peso nesta fase pode levar à patologias como diabete gestacional e hipertensão arterial. O ganho de peso aceitável varia de acordo com o peso pré-gestacional e o estágio da gestação.

Peso pré-gestacional
(IMC*)

Ganho total no
1o trimestre
Ganho semanal no
2o e 3o trimestres
Ganho total na
gestação
Baixo Peso
(IMC < 19,8)
2,3 Kg 0,5 Kg 12,5 – 18,0 Kg
Peso Normal
(IMC entre 19,8 – 26)
1,6 Kg 0,4 Kg 11,5 – 16,0 Kg
Sobrepeso
(IMC entre 26 e 29)
0,9 Kg 0,3 Kg 7,0 – 11,5 Kg
Obesa
(IMC > 29)
—- 0,3 Kg 7,0 Kg

 

IMC

IMC

Peso aproximado dos produtos da gestação

  • Feto: 3,2 Kg
  • Placenta: 0,5 Kg
  • Líquido Amniótico: 1,0 Kg
  • Útero: 1,0 Kg
  • Aumento do volume sanguíneo: 1,0 Kg
  • Aumento das mamas: 1,0 Kg

Portanto, aproximadamente 7 Kg resultam diretamente da gravidez. O restante deve-se ao depósito de gordura materna.

Calorias

O aumento no aporte calórico durante a gravidez vai depender, além do peso pré-gestacional, da atividade física da mulher e de seu metabolismo basal. De um modo geral, um acréscimo de 10% nas calorias diárias, durante o 2º e o 3º trimestres, é o suficiente. Então se a mulher consumia 2000 cal/dia deverá acrescentar à sua dieta 200 cal/dia.

Proteínas

As proteínas magras devem estar presentes em todas as refeições, pois são essenciais para o desenvolvimento dos tecidos que vão formar o bebê e também na formação da placenta e do sangue materno e fetal. Boas fontes de proteína são: carnes magras, leite, queijos, ovos, iogurte e feijão.

Cálcio

Participa do desenvolvimento dos dentes e ossos do bebê, ajuda a regular os batimentos cardíacos e a contração muscular, atua na coagulação sanguínea e auxilia na regulação da pressão arterial. É importante principalmente nos últimos meses de gravidez quando a formação dos ossos é finalizada. Na mãe a carência pode levar à gengivite e cãibras. Se a mãe não estiver ingerindo cálcio suficiente o feto vai utilizar as reservas maternas para o seu desenvolvimento e isto poderá comprometer a saúde futura da mãe. Recomenda-se o consumo de 1200mg/dia para suprir as demandas do feto.

Alimento

Quantidade de Cálcio
Leite desnantado (copo grande) 297,6 mg
Queijo minas (1 fatia média) 205,5 mg
Iogurte (200 ml) 240 mg
Espinafre cozido (4 colheres de sopa) 160 mg
Iogurte (200 ml) 240 mg
Couve refogada (2 colheres de sopa) 164 mg

A absorção de cálcio pode ser prejudicada por alguns fatores, como a presença de ferro, presente em carnes e ovos principalmente. Por isso procure não consumir alimentos ricos em ferro junto com alimentos ricos em cálcio, como por exemplo: carne bovina e leite desnatado.

Ferro

É um mineral essencial na formação da hemoglobina (responsável por carregar oxigênio no sangue). Sua deficiência provoca anemia. A demanda deste mineral na gestação é muito grande, sendo ainda maior no último trimestre quando o bebê começa a acumular para utilizar nos seus primeiros meses de vida. Mesmo com uma alimentação adequada é difícil obter toda quantidade de ferro requisitada neste período e provavelmente seu médico recomendará uma suplementação deste mineral no 2º e 3º trimestres. São alimentos ricos em ferro: fígado, carnes, ovos, feijão e hortaliças folhosas. Para melhorar a absorção do ferro consuma junto com alimentos ricos em vitamina C (frutas cítricas, tomate, couve-flor, brócolis) e evite fonte de cálcio na mesma refeição.

Ácido Fólico

Atua na divisão celular e na síntese protéica. A ingestão de ácido fólico antes da concepção até a 10º semana de gestação ajuda a prevenir malformações do sistema nervoso central do feto. Comece a suplementação com a recomendação do seu médico e inclua na dieta alimentos ricos em ácido fólico com vegetais verdes escuros, frutas cítricas, gérmen de trigo, ricota, iogurte e pães integrais.

Outras Recomendações

  • Limitar o consumo diário de café em 200 a 300 ml
  • Abster-se de bebidas alcoólicas e do tabagismo
  • Carpaccios, sushis e sashimis devem ser evitados, principalmente nos 3 primeiros meses de gravidez, pois a carne crua pode transmitir doenças como a toxoplasmose
  • Evite enlatados, condimentos e gorduras
  • Evite o consumo de adoçantes ou produtos dietéticos durante a gravidez e amamentação. No caso de diabéticas ou controle de peso opte pelo aspartame. Não há estudos conclusivos sobre o risco de malformação no feto pelo uso de sacarina e ciclamatos, especialmente até a 10º semana de gestação
  • Alimente-se a cada 3 horas para evitar tonturas e mal estar

Alimentando-se de forma saudável e equilibrada você garante um bom desenvolvimento para o seu bebê, uma gestação mais tranqüila e facilita a recuperação da boa forma após o parto.

Categorias: Dicas, Gestantes
Data: 09/09/2014   4592 Views