Herpes Simples e Gestação

Categorias: Dicas, Gestantes
Data: 10/11/2022   28 Views  

O herpes é uma infecção causada pelo Herpes simplex virus tipo 1 (HSV 1) e tipo 2 (HSV 2), e é bastante contagiosa. O contato com o vírus ocorre geralmente na infância, mas muitas vezes a doença não se manifesta nesta época. O vírus atravessa a pele e, percorrendo um nervo, se instala no organismo de forma inativa, até que venha a ser reativado.

Herpes Labial

Mulher passando pomada para tratar Herpes Labial.

A reativação do vírus pode ocorrer devido a diversos fatores desencadeantes, tais como:

  • Exposição à luz solar intensa;
  • Fadiga física e mental;
  • Estresse emocional;
  • Febre ou outras infecções que diminuam a resistência orgânica.

Algumas pessoas têm maior possibilidade de apresentar os sintomas do herpes. Outras, mesmo em contato com o vírus, nunca apresentam a doença, pois sua imunidade não permite o seu desenvolvimento. Por nem sempre manifestar sintomas, muitas pessoas acabam disseminando a doença sem saber.

Quais as diferenças entre os vírus HSV-1 e o HSV-2?

Geralmente, o vírus HSV-1 está mais relacionado aos casos de infecções orais do herpes e o HSV-2 aos casos de infecções genitais. Por isso existe uma propensão que uma infecção genital causada por herpes vírus tipo 1 reative menos que uma por herpes vírus 2 e vice-versa.

É possível identificar o vírus em um exame de sangue?

Existe uma sorologia (exame de sangue) anti HSV-1 e anti HSV-2, mas não é altamente específica, ou seja, o exame pode mostrar se uma pessoa tem imunidade a um dos dois tipos de vírus, mas alguém com o vírus HSV-1 pode também ter imunidade ao HSV-2 e vice-versa. 

A sorologia, portanto, só tem real utilidade quando o médico está em dúvida sobre o diagnóstico.

Este exame não é feito de rotina porque não há uma conduta específica a ser tomada em caso de resultado positivo já que não há um tratamento para acabar com o vírus.

Como o Herpes de Manifesta

As lesões mais frequentemente aparecem nos lábios e na região genital. Entretanto podem aparecer em qualquer lugar da pele. As lesões geralmente apresentam as seguintes características:

  • Coçam ou ardem antes de surgir;
  • Depois surgem pequenas bolhas agrupadas sobre a região que está avermelhada e inchada;
  • As bolhas se rompem e o líquido  liberado de dentro dela tem intensa concentração de vírus;
  • Em seguida se forma uma ferida. Esta é a fase de maior perigo na transmissão da doença;
  • A ferida começa a secar formando uma crosta que enfim dará início à fase de cicatrização.

Usualmente a duração deste ciclo da doença é de 5 a 10 dias. Nesse período os seguintes cuidados devem ser observados:

  • Inicia-se o tratamento o mais breve possível, assim o surto poderá ser de menor intensidade e duração;
  • Não fure as vesículas;
  • Evite beijar ou falar muito próximo de outras pessoas, principalmente de crianças se a localização for labial;
  • Evite relações sexuais se a localização for genital;
  • Lavar frequentemente as mãos após manipular as feridas. Isto é importante pois os vírus podem ser transmitidos para outros locais de seu próprio corpo, especialmente as mucosas oculares, bucal e genital.

Quem tem herpes uma vez tem sempre?

Uma vez que a herpes não tem cura, a pessoa portadora do vírus apresenta sempre alguma chance de passar o vírus para outras. No entanto, esse risco é maior na fase de bolhas e feridas na pele, já que o vírus pode ser transmitido através do líquido liberado por estas bolhas.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia estima que 99% da população brasileira adulta já tenha adquirido imunidade contra o herpes simplex na infância ou na adolescência, provavelmente por meio de uma infecção sem sintomas ou com um único episódio que resultou em resistência ao vírus por toda a vida.

A frequência de reativação está ligada a fatores individuais de cada organismo, como: tendência genética, situação do sistema imunológico e idade (já que as crises se tornam menos frequentes após os 35 anos). A herpes não reduz a sua fertilidade e não dificulta uma gravidez.

É normal sair herpes genital na gravidez?

As pacientes que estão em período de gestação são mais propensas ao surgimento do herpes. Isto acontece porque gestantes em geral apresentam baixa imunidade, fator que é essencial para a ativação do vírus.

Apesar disso, a transmissão nem sempre acontece e muitas mulheres com herpes genital inativo no momento da passagem do bebê pelo canal de parto têm bebês saudáveis.

No entanto, para as mulheres que apresentam herpes genital ativa no momento do parto, recomenda-se que seja realizada a cesariana para evitar a infecção do bebê.

Herpes durante a gestação: como evitar?

Para evitar a manifestação do herpes durante a gestação é preciso cuidar do sistema imunológico.

Assim sendo, experimente adotar uma dieta balanceada, repleta de vitaminas. Além disso, é indicada a prática de atividades físicas, de forma adequada e frequente.

Alimentação Saudável Ajuda com a Azia na Gravidez

Uma alimentação saudável e balanceada ajuda a reduzir uma série de problemas na gravidez.

A futura mamãe também deve assegurar a boa qualidade do sono, desfrutando de noites tranquilas e bem dormidas. Em suma, manter hábitos saudáveis ajuda a prevenir o aparecimento dessa doença no período gestacional.

Por isso, vale a pena enfatizar a necessidade de se afastar dos cigarros e das bebidas alcoólicas por esse e claramente outros motivos.

Também recomenda-se evitar situações estressantes. Ainda mais se levarmos em consideração que o estresse tende a estimular a presença do vírus, de modo a torná-lo mais ativo. 

Obviamente, outro cuidado consiste em evitar os contatos íntimos durante os surtos da doença genital sem preservativo.

Em contrapartida, se a futura mamãe perceber os sintomas da patologia, deve procurar um médico imediatamente.

Atualmente, recomenda-se o uso de pomadas antivirais para aliviar os sintomas dos efeitos locais, como o formigamento e o prurido.

Prevenção e tratamento do herpes labial durante a gravidez

A opção de tratamento mais comum para o herpes labial é um creme tópico de venda livre, composto por um medicamento antiviral. Em geral, o herpes labial é mais um incômodo para a gestante do que um risco para o bebê em desenvolvimento.

Tenha atenção à fase após o parto. Se estiver com uma ferida de herpes, evite beijar o bebé e lave sempre as mãos antes de lhe tocar para não transmitir o vírus. Aconselha-se ainda o uso de adesivos, de modo a evitar o contágio acidental.

Pode também ficar descansada quanto à amamentação. O herpes labial não se transmite através do leite, mas é importante que siga as regras de higiene indicadas acima para evitar o contágio.

Herpes na Gestação: quais são os riscos para o bebê?

Quando há um surto de herpes recorrente (ou seja, a infecção não foi adquirida pela primeira vez durante a gravidez), é provável que não haja impacto no crescimento do bebê.

Em geral, por se tratar de uma infecção localizada, o vírus não atravessa a placenta e não chega ao bebê.

Em contraste, quando o vírus é contraído pela primeira vez durante a gravidez, a situação é totalmente diferente. O corpo da mãe ainda não terá gerado anticorpos contra esse agente infeccioso, então é possível infectar o feto.

O herpes adquirido ao nascimento (ou congênito) é uma doença potencialmente grave e o risco de contraí-la é maior quando a mãe adquire o vírus no terceiro trimestre da gravidez.

Principalmente no caso da variante genital, pois, no momento do parto, o bebê contamina-se por meio do contato direto com a mucosa infectada.

Os riscos da transmissão do vírus para o bebê incluem o aborto, ocorrência de malformações, como problemas de pele, olhos e boca, infecções do sistema nervoso, como encefalite ou hidrocefalia e hepatite.

Em situações mais extremas, também é possível ocorrer o óbito. Em contrapartida, em muitas ocasiões, não ocorre a contaminação do bebê.

Até porque as mulheres que apresentam o herpes genital no estado inativo no momento do parto na maioria das vezes têm filhos considerados saudáveis.

Já se a gestante está passando por um surto, ou seja, com o vírus ativo na hora do nascimento do bebê, deve optar pela cesariana.

Além disso, as pessoas que possuem herpes labial devem evitar beijos no recém-nascido. Caso ele seja contaminado poderá desenvolver um quadro grave da doença já que não tem o sistema imunológico completamente desenvolvido. Veja mais sobre este assunto no post “É perigoso beijar recém-nascido?“.

Categorias: Dicas, Gestantes
Data: 10/11/2022   28 Views