Grávida pode ter relação sexual?

Categorias: Dúvidas, Gestantes
Data: 10/09/2014   22176 Views  

A sexualidade é uma parte fundamental da vida de todos nós. Contudo, quando a mulher engravida, surgem dúvidas e inseguranças quanto ao prosseguimento normal da sua vida sexual. Muitas mulheres interrompem a vida sexual durante a gravidez, em especial quando a barriga começa a crescer. Será que isso é mesmo necessário? Ou seria muito melhor continuar a ter as relações? Há algum momento em que é recomendável não ter relações sexuais?

É necessário abstinência sexual?
Sexo e Gravidez

Se a gravidez se desenvolve naturalmente, você e seu parceiro podem continuar mantendo uma vida sexual sem problemas. Não há nenhum motivo fisiológico que impeça o sexo durante a gravidez ou prejudique o feto. A única recomendação seria procurar posições que sejam mais cômodas para você e que não pressionem a barriga quando ela aumentar de volume.

Mas, não só as relações sexuais podem acontecer durante a gravidez, como – devido ao alto nível de hormônios sexuais que existem – muitas mulheres têm aumento do seu desejo durante a gravidez e o aproveitam de um modo muito especial.

A vida sexual pode sofrer alterações?

É natural que a sua vida sexual sofra algumas alterações durante a gravidez. Algumas mulheres, quando grávidas, sentem-se mais sensuais, mais interessantes e também com uma maior vontade de fazer amor, já que não se têm que preocupar com a contracepção.

Outras, com as mudanças no seu corpo, sentem-se menos atraentes e, em consequência, com menos interesse por esta vertente da sua vida. Outras, ainda, estão muito cansadas ou enjoadas, especialmente no primeiro e terceiro trimestres.

No segundo trimestre de gestação, os habituais desconfortos como os vômitos, náuseas e fadiga tornam-se menos acentuados ou chegam mesmos a desaparecer, assim a mulher tende a aumentar o seu interesse nas relações sexuais. Por outro lado, diante da gravidez, alguns homens sentem um maior desejo sexual pelas suas companheiras, em particular durante o primeiro trimestre.

Outros, contudo, não sentem qualquer desejo pela mulher grávida, quer porque têm medo de “machucar” o bebê, quer porque deixam de considerar a sua companheira como alguém sexy, uma vez que o volume dos seios e todo o seu peso aumenta, a cintura desaparece e o abdôme cresce, ou ainda porque consideram que o sexo é apenas o meio para atingir o objetivo da procriação e não há razão para continuar a ter relações sexuais.

Resumindo, é importante notar que cada caso é um caso, pois cada pessoa vive a sua sexualidade de forma diferente. Não existem padrões de comportamento certos ou errados.

Há algum momento em que é recomendável não ter relações sexuais?

Existem situações em que, clinicamente, não é recomendável a prática de relações sexuais, tais como quando há ameaça de aborto espontâneo, placenta prévia, hemorragias vaginais, incompetência istmo-cervical, ou doenças sexualmente transmissíveis.

Se em gestações anteriores a paciente teve filhos que nasceram prematuramente, ou seja, antes do tempo certo, o médico poderá desaconselhar que mantenha relações sexuais pois o esperma possui prostaglandinas que podem estimular as contrações uterinas. Se existe algum problema, será o seu obstetra quem deve desaconselhar a prática das relações sexuais, é sempre conveniente e desejável que a grávida consulte o médico sobre este assunto.

Além disso, sexo não se restringe apenas à penetração. Há outras práticas que podem ser muito prazerosas, como o sexo oral ou a masturbação mútua. E vale lembrar: quem vive bem com a sexualidade durante a gravidez só tem a ganhar!

Categorias: Dúvidas, Gestantes
Data: 10/09/2014   22176 Views