Resposta à vacina COVID-19 em mulheres grávidas e lactantes

Categorias: Artigos, Médicos
Data: 18/04/2021   460 Views  
Gray KJ, Bordt EA, Atyeo C, Deriso E, Akinwunmi B, Young N, Medina Baez A, Shook LL, Cvrk D, James K, De Guzman R, Brigida S, Diouf K, Goldfarb I, Bebell LM, Yonker LM, Fasano A, Rabi SA, Elovitz MA, Alter G, Edlow AG.

Am J Obstet Gynecol. 2021 Mar 24;S0002-9378(21)00187-3. doi: 10.1016/j.ajog.2021.03.023.

Proteína Spike Coronavírus

Introdução

Mulheres grávidas e lactantes foram excluídas dos ensaios iniciais da vacina COVID-19; portanto, faltam dados para orientar a tomada de decisão sobre a vacina.

Objetivos

Avaliar a imunogenicidade e reatogenicidade da vacinação de mRNA de COVID-19 em mulheres grávidas e lactantes em comparação com: (1) controles não grávidas e (2) infecção natural por COVID-19 na gravidez.

Desenho do estudo

131 mulheres vacinadas em idade reprodutiva (84 grávidas, 31 lactantes e 16 não grávidas) foram inscritas em um estudo de coorte prospectivo em dois centros médicos acadêmicos. Os títulos de SARS-CoV-2 Spike e RBD IgG, IgA e IgM foram quantificados nos soros das participantes (N = 131) e leite materno (N = 31) no início, segunda dose da vacina, 2-6 semanas após a segunda vacina e no parto pelo equipamento Luminex. Os títulos do soro do cordão umbilical (N = 10) foram avaliados no momento do parto. Os títulos foram comparados aos de mulheres grávidas com 4-12 semanas de infecção natural (N = 37) pelo método ELISA. Um ensaio de neutralização de pseudovírus foi usado para quantificar os títulos de anticorpos neutralizantes para o subconjunto de mulheres que deram à luz durante o período do estudo. Os sintomas pós-vacinação foram avaliados por meio de questionário. Os testes de Kruskal-Wallis e um modelo de efeitos mistos, com correção para comparações múltiplas, foram usados ​​para avaliar as diferenças entre os grupos.

Resultados

Os títulos de anticorpos induzidos pela vacina foram equivalentes em grávidas e lactantes em comparação com mulheres não grávidas (mediana [IQR] 5,59 [4,68-5,89] grávidas, 5,74 [5,06-6,22] lactantes, 5,62 [4,77-5,98] não grávidas, p = 0,24). Todos os títulos foram significativamente maiores do que aqueles induzidos pela infecção por SARS-CoV-2 durante a gravidez (p <0,0001). Os anticorpos gerados pela vacina estavam presentes em todas as amostras de sangue do cordão umbilical e leite materno. Os títulos de anticorpos neutralizantes foram mais baixos no cordão umbilical em comparação com os soros maternos, embora este achado não tenha alcançado significância estatística (mediana [IQR] 104,7 [61,2-188,2] soros maternos, 52,3 [11,7-69,6] soros do cordão, p = 0,05). A segunda dose da vacina (dose de reforço) aumentou a IgG específica para SARS-CoV-2, mas não a IgA, no sangue materno e no leite materno. Nenhuma diferença foi observada na reatogenicidade entre os grupos.

Conclusões

As vacinas de mRNA de COVID-19 geraram imunidade humoral robusta em mulheres grávidas e lactantes, com imunogenicidade e reatogenicidade semelhantes às observadas em mulheres não grávidas. As respostas imunes induzidas por vacinas foram significativamente maiores do que a resposta à infecção natural. A transferência imunológica para neonatos ocorreu por meio da placenta e do leite materno.

Artigo Original: COVID-19 vaccine response in pregnant and lactating women: a cohort study

Categorias: Artigos, Médicos
Data: 18/04/2021   460 Views