Primeiro nascimento de um útero de doador falecido nos Estados Unidos: da rejeição grave do enxerto ao parto cesáreo bem-sucedido

Categorias: Artigos, Médicos
Data: 18/08/2020   199 Views  
Rebecca Flyckt MD, Tommaso Falcone MD, Cristiano Quintini MD, Uma Perni MD, Bijan Eghtesad MD, Elliott G. Richards MD, Ruth M. Farrell MD, Koji Hashimoto MD, PhD, Charles Miller MD, Stephanie Ricci MD, Cecile A. Ferrando MD, MPH, Giuseppe D’Amico MD, Shana Maikhor MEd, Debra Priebe BSN, Andres Chiesa-Vottero MD, Amy Heerema-McKenney MD, Steven Mawhorter MD, Myra K. Feldman MD, Andreas Tzakis MD, PhD

> Am J Obstet Gynecol. 2020 Aug;223(2):143-151.

Transplante de Útero

Ultrassonografia com 21 semanas e 4 dias (A) demonstrou placenta prévia completa com acretismo. A biometria fetal permaneceu consistente com a idade gestacional estabelecida. Em (B) uma imagem de ultrassom tridimensional do feto com 31 semanas e 2 dias de gestação, e o recém-nascido é mostrado logo após o nascimento (C).

O transplante de útero é o único tratamento potencial conhecido para a infertilidade absoluta pelo fator uterino. Ele oferece um ambiente único para a investigação das adaptações imunológicas da gravidez no contexto da tolerância induzida por medicamentos de transplantes de órgãos sólidos, fornecendo, assim, informações valiosas sobre a interface materno-fetal inicial. Até recentemente, todos os nascidos vivos resultantes de transplante de útero envolviam doadores vivos, com apenas 1 nascimento anterior de doador falecido. O ensaio clínico da Cleveland Clinic de transplante de útero foi iniciado em 2015. Em 2017, uma mulher de 35 anos com ausência congênita do útero foi transplantada de uma doadora parente falecida com morte encefálica de 24 anos. O transplante do útero foi realizado com anastomose vaginal e anastomoses vasculares bilateralmente dos vasos ilíacos internos da doadora para os vasos ilíacos externos da receptora. A indução e manutenção da imunossupressão foi feita e subsequentemente modificada em antecipação à gravidez, 6 meses após o transplante. Antes da transferência planejada do embrião, a biópsia ectocervical revelou ulceração e um infiltrado difuso significativo de células inflamatórias mistas rico em células plasmáticas, com histologia interpretada como rejeição grau 3 suspeita de um componente mediado por anticorpos. Um regime imunossupressor agressivo direcionado à rejeição celular e humoral foi iniciado. Após 3 meses de tratamento, não houve evidência histológica de rejeição, e após 3 meses da eliminação completa da rejeição, uma transferência de embrião sem intercorrências foi realizada e uma gravidez foi estabelecida. Às 21 semanas, foi diagnosticada placenta prévia central com acretismo. Um recém-nascido saudável nasceu por histerectomia cesariana com 34 semanas de gestação. Em resumo, este artigo destaca o primeiro nascimento na América do Norte resultante de um transplante de útero de uma doadora falecida. Essa conquista ressalta a capacidade do útero transplantado de se recuperar de uma rejeição severa e prolongada e ainda assim produzir um recém-nascido viável. Este é o primeiro parto de nosso ensaio clínico em andamento em transplante de útero, incluindo a primeira incidência relatada de rejeição celular / humoral mista grave, bem como a primeira placenta acreta relatada.

Artigo Original: First birth from a deceased donor uterus in the United States: from severe graft rejection to successful cesarean delivery

Categorias: Artigos, Médicos
Data: 18/08/2020   199 Views