Escore cardiovascular na vigilância de fetos hidrópicos

Categorias: Lembretes, Médicos
Data: 24/07/2022   97 Views  

A hidropsia fetal é uma doença grave do feto que está associada a uma alta mortalidade perinatal que excede 72% em algumas séries. Tem muitas causas diferentes e muitas vezes uma origem multifatorial. A hidropisia fetal pode resultar de causas genéticas, metabólicas, inflamatórias ou de malformação associada. É plausível que a insuficiência cardíaca congestiva fetal por causa da alta pressão intracardíaca e perfusão tecidual inadequada possa resultar antes da morte fetal. 

Estudos com ecocardiograma e Doppler arterial e venoso mostraram insuficiência das valvas atrioventriculares, diminuição do débito cardíaco, aumento da impedância ao fluxo na artéria umbilical e nas veias sistêmicas e, principalmente, pulsações na veia umbilical. Alterações nesses parâmetros refletem função miocárdica comprometida e são sinais de insuficiência cardíaca congestiva fetal. Uma boa correlação desses marcadores com a mortalidade perinatal foi observada em análises univariadas previamente realizadas.

Em 2006 um estudo publicado por Cornelia Hofstaetter, demonstrou que, o escore de perfil multivariado combinado, composto por ecocardiografia e variáveis ​​Doppler arterial e venosa, poderia ser utilizado na vigilância de fetos hidrópicos. Neste estudo o Escore de Perfil CardioVascular (EPCV) foi aplicada a fetos com hidropisia fetal, combinando as cinco variáveis: hidropisia fetal, cardiomegalia, função cardíaca, Doppler arterial e Doppler venoso de veia umbilical (UV) e ducto venoso (DV).

O EPCV aumentou nos sobreviventes e diminuiu nos casos com mortalidade perinatal. A mediana do EPCV para os fetos que morreram (mediana 6,0, IQR 5,0-6,0) foi um ponto completo menor do que para aqueles que sobreviveram (mediana 7,0, IQR 4,0-8,0). Esta diferença foi estatisticamente significativa (p 1⁄4 0,035). Da mesma forma, uma diferença estatisticamente significativa foi observada na mortalidade perinatal com fetos que morreram com EPCV mais baixo (mediana 5,5, IQR 4,0–6,0) do que aqueles que não tiveram óbito (mediana 6,0, IQR 5,0–8,0) (p 1⁄4 0,018).

Como o Escore Cardiovascular é calculado em Fetos Hidrópicos

O EPCV máximo é de 10 pontos, com 2 pontos atribuídos a um achado normal e 1 ou 2 pontos retirados por achados anormais nas cinco categorias.

CategoriaEscore 2Escore 1Escore 0
HidropsiaSem hidropisiaAscite, derrame pleural ou derrame pericárdicoEdema de subcutâneo
Cardiomegalia (área cardíaca/torácica)> 0,2 e ≤ 0,350,35 a 0,50> 0,50 ou < 0,20
Função CardíacaFluxo tricúspide e mitral normais, com enchimento diastólico bifásicoRegurgitação tricúspide holosistólicaRegurgitação mitral holosistólica, enchimento diastólico monofásico
Doppler de Artéria UmbilicalUmbilical Score 2Umbilical Score 1Umbilical Score 0
Doppler Venoso (veia umbilical e ducto venoso)Venoso Escore 2Venoso Escore 1Venoso Escore 0

O escore definiu a gravidade da hidropisia fetal grosseiramente, com 1 pontos se o líquido tivesse coletado nas cavidades corporais e com 0 pontos na presença de edema de subcutâneo.

O tamanho do coração fetal foi medido pela razão entre as áreas cardíaca e torácica. A relação área cardíaca/tórax (C/T) foi normal entre 0,20 e 0,35, com 2 pontos. Cardiomegalia estava presente se a razão de área C/T fosse aumentada acima de 0,35, (tirar 1 ponto). Dois pontos foram retirados na cardiomegalia grave com razão da área C/T  superior a 0,50 ou em casos de coração de tamanho muito pequeno e razão de área C/T inferior a 0,20.

A função cardíaca foi avaliada ao nível das valvas atrioventriculares. Valva tricúspide competente e valva mitral com padrão de enchimento diastólico bifásico apresentaram escore normal de 2 pontos. A presença de regurgitação holossistólica de tricúspide teve pontuação de 1 ponto e 2 pontos foram retirados em casos com regurgitação valvar mitral holossistólica adicional ou um padrão de enchimento monofásico em qualquer ventrículo.

O débito cardíaco/resistência placentária foi avaliado indiretamente pela dopplervelocimetria da artéria umbilical. Fluxo diastólico positivo representou um achado normal (2 pontos), e fluxo diastólico final ausente (1 ponto), ou fluxo diastólico final reverso (0 pontos) indicou aumento da resistência placentária ou volume sistólico alterado .

A dopplervelocimetria no ducto venoso e na veia umbilical reflete a pressão intra-atrial. Nos casos normais, a veia umbilical apresentou padrão não pulsátil e baixa pulsatilidade no dueto venoso. O aumento da pressão intra-atrial levou a um aumento da pulsatilidade no ducto venoso com diminuição da velocidade durante as contrações atriais (velocidade-A), que poderia se tornar zero ou reversa. Nesses casos, se não houvesse pulsações na veia umbilical, um ponto era retirado do EPCV. Com pulsações na veia umbilical 2 pontos são retirados do EPCV.

Referência

  1. Hofstaetter C, Hansmann M, Eik-Nes SH, Huhta JC, Luther SL. A cardiovascular profile score in the surveillance of fetal hydrops. J Matern Fetal Neonatal Med. 2006 Jul;19(7):407-13.
Categorias: Lembretes, Médicos
Data: 24/07/2022   97 Views